A história da canção A Day in the Life

A Day in the Life foi a primeira gravação dos Beatles em que John juntou uma música inacabada sua com uma de Paul. A canção de John havia surgindo de uma rotineira leitura de jornal. Os “4 mil buracos de Blackburn, Lancashire” (I read the news today, oh boy, four thousand holes in Blackburn, Lancashire) foram tirados da coluna “Far and Near” do Daily Mail, do dia 17 de janeiro de 1967, que falava de uma pesquisa da Blackburn City Council sobre buracos na rua que mostrava que havia 1/26 buraco para cada morador da cidade. Quando John precisava de uma rima para a palavra “small” para terminar a frase “now they know how many holes it takes to fill…”, seu amigo de escola Terry Doran sugeriu “the Albert Hall” (And though the holes were rather small they had to count them all, now they know how many holes it takes to fill the Albert Hall).

a day in the life

O filme sobre o exército inglês ganhando a guerra (I saw a film today, oh boy, The English Army had just won the war) era, obviamente, How I Won the War – filme de comédia que John Lennon participou -, que não estrearia até outubro de 1967, mas já tinha sido mais do que comentado na imprensa.

how i won the war

O homem que arrebentou a cabeça num carro (He blew his mind out in a car) era Tara Browne, um amigo irlandês dos Beatles e homem famoso da alta sociedade que morreu em um acidente de carro em 18 de dezembro de 1966. O relatório do legista só foi publicado em 1967 e John disse “Eu não estava copiando o acidente. Tara não arrebentou a cabeça. Mas pensei nisso quando estava escrevendo o verso”. Os detalhes do acidente na música foram inventados por John (He didn’t notice that the lights had changed, a crowd of people stood and stared). Paul, que havia colaborado com versos nessa parte da música, não sabia que John tinha Tara Browne em mente. Ele achava que estava escrevendo sobre um “político drogado”. Browne estava dirigindo seu carro por Redcliffe Gardens em Earls Court depois da meia-noite quando um Volkswagen surgiu em seu caminho vindo de uma rua lateral. Ele desviou, e seu Lotus Elan colidiu com um furgão estacionado. E, assim que chegou ao hospital local, já foi dado como morto. A autópsia revelou que sua morte foi resultado de “lacerações no cérebro provocadas por fraturas no crânio”. Tara estava acompanhado da modelo Suki Potier, que escapou com escoriações e em estado de choque.

tara browne

Tara Browne era neto do cervejeiro Edward Cecil Guinness e fazia parte da jovem elite aristocrática que adorava se misturar com astros do pop. Apesar de ter apenas 21 anos quando morreu, ele teria herdado uma fortuna de um milhão de libras aos 25 anos e seu atestado de óbito o descreve como um homem “de meios independentes” com uma residência londrina em Eaton Row, Belgravia. Depois de estudar em Eaton, Browne se casou aos 18 anos e foi pai de dois meninos antes de se separar da esposa e começar a se relacionar com Suki Potier. Ele frequentava casas noturnas londrinas como Sibylla’s e Bag O’Nails e era muito próximo de Paul e Mike McCartney e do Rolling Stone Brian Jones. Em seu 21° aniversário, ele levou os Lovin’ Spoonful para a casa de seus parentes em County Wicklow, Irlanda. Mick Jagger, Mike McCartney, Brian Jones e John Paul Getty estavam entre os convidados. Paul estava com Browne quando tomou LSD pela primeira vez, em 1966.

tara

A canção inacabada de Paul era alegre e otimista sobre sair da cama e ir para escola e foi encaixada entre a segunda e terceira estrofes da música de John. “Era uma canção completamente diferente, mas acabou combinando”, disse Paul. “Eu estava apenas lembrando como era correr pela rua para pegar o ônibus da escola, fumar um cigarro e ir para a aula… era uma reflexão sobre os meus tempos de escola. Eu fumava um Woodbine (um cigarro inglês barato e sem filtro) e aí alguém falava, e eu começava a sonhar”. Em muitos países a música foi banida das rádios por causa das parte sobre fumar um cigarro, sonhos e “turn-ons”. A frase sobre fumar e sonhar (Found my way upstairs and had a smoke and somebody spoke and I went into a dream) foi interpretada como uma referência a maconha e houve até quem estivesse convencido de que os buracos em Blackburn eram os de seringas de um usuário de heroína. Em 1968, Paul admitiu que “A Day in the Life” era o que chamava de “canção para deixar ligado”. Era a única no álbum escrita como uma provocação deliberada”, ele disse. “Mas o que nós queremos é deixar você ligado na verdade, não na maconha.” George Martin comenta: “Havia uma referência à maconha nela, mas ‘Fixing a Hole’ não era sobre heroína e ‘Lucy in the Sky with Diamonds’ não era sobre LSD. Na época, eu tinha uma forte suspeita de que ‘went upstairs and had a smoke’ era uma referência às drogas. Eles costumavam desaparecer e dar um trago, mas nunca o faziam na minha frente. Sempre iam ao bar, e Mal Evans costumava ficar de guarda”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s